SAIBA TUDO SOBRE PNEUS

COMO UM PNEU É FABRICADO
ETAPAS NA PRODUÇÃO DE PNEUS
PNEUS E RODAS
ESTRUTURA DO PNEU
VISTA EM CORTE
COMO IDENTIFICAR UM PNEU
ÍTENS DE MEDIÇÃO EM PNEUS
EXEMPLO DE IDENTIFICAÇÃO 1


EXEMPLO DE IDENTIFICAÇÃO 2
OUTROS CÓDIGOS EM PNEUS
TABELA DE ÍNDICE DE VELOCIDADE
TABELA DE ÍNDICE DE CARGA
APLICAÇÕES
DESENHOS DA BANDA DE RODAGEM
DIAGONAL X RADIAL
MANUTENÇÃO

 

O pneu é uma das partes mais importantes de qualquer veículo automotor. É o pneu que suporta o peso do veículo e sua carga e, faz o contato do veículo com o solo. O pneu transforma a força do motor em tração e é resposável pela eficiência da frenagem e da estabilidade nas curvas.
Por isso, é muito importante conhecer como um pneu é fabricado, as características de cada modelo e tipo, aplicações e principalmente os cuidados e manutenção.

COMO UM PNEU É FABRICADO(volta)

Uma combinação de 200 tipos diferentes de matéria prima numa única mistura de química, física e engenharia, dá ao consumidor o mais alto nível de conforto, performance, eficiência, confiabilidade e segurança que a moderna tecnologia pode oferecer.

ETAPAS DA PRODUÇÃO DE PNEUS (volta)

1. Planejamento e Design
Muitos pneus são projetados para atenderem às necessidades e performance especificadas por um modelo de automóvel em particular. O processo começa com um computador que converte a matemática das necessidades do veículo em especificações técnicas. Um protótipo do pneu é feito para testar a eficiência do design em relação às características desejadas. O projeto de um pneu pode levar meses de testes, inspeções e verificações de qualidade antes de entrar em linha de produção.


2. Produção
O processo de produção começa com a seleção de vários tipos de borracha juntamente com óleos especiais, carbono preto, pigmentos, antioxidantes, silicone e outros aditivos que serão combinados para oferecer as características desejadas. Compostos diferentes são usados para diferentes partes do pneu. Uma máquina chamada Misturador Banburry transformará estas várias matérias primas para cada composto em uma mistura homogênea com a consistência da borracha. O processo de mistura é controlado por computador para assegurar a uniformidade da mistura. Os compostos são então enviados para máquinas que irão produzir cada parte do pneu.
Após isto, começa a montagem do pneu. O primeiro componente a ir para a montagem é o perfil interno (innerliner), uma borracha especial que é resistente ao ar e à penetração e que tem a forma de um tubo interno. Depois vem a lona e cinta que geralmente são feitas de poliéster e aço. Lonas e cintas dão ao pneu força e flexibilidade. As cintas são cortadas em ângulo preciso para atender as características desejadas do pneu. Fios de aço revestidos de bronze são colocados em dois arcos os quais são implantados na parede lateral do pneu para formar o talão o qual irá assegurar o perfeito assentamento do pneu no aro. A banda de rodagem e as paredes laterais são colocadas sobre as lonas e cintas e depois todas as partes são unidas firmemente. O resultado de tudo isto é chamado de PNEU VERDE ou INCURADO.
A última etapa é curar o pneu. O PNEU VERDE é colocado dentro de um molde e é inflado para pressioná-lo contra o molde, formando assim o desenho da banda de rodagem e as informações na lateral do pneu. Depois o pneu é aquecido à temperatura de 150 graus por 12 a 15 minutos vulcanizando-o para ligar todos os componentes e curar a borracha. Pneus maiores e Off Roas podem levar mais de um dia para curar.
Todos os pneus são então inspecionados, e amostras aleatórias são retiradas da linha de produção e testadas. Algumas passam por Raios X, algumas são cortadas, outras são enviadas para testes com rodas e outras são testadas em pistas para avaliar o desempenho, maneabilidade, desgaste, tração e segurança.

RELACIONAMENTO ENTRE A PERFORMANCE DOS PNEUS E RODAS (volta)

Associação de Pneus e Rodas (TRA Tire and Rim Association)

Com o objetivo de manter a consistência e uniformidade das medidas de pneus, representantes dos maiores fabricantes de pneus criaram a Tire and Rim Association (Associação de Pneus e Aros) nos EUA. A TRA tem estabelecido especificações técnicas que são baseadas em princípios de engenharia e ensaios práticos. Todo ano é publicado O TRA YEARBOOK o qual contém todas as Normas TRA e informações relacionadas aprovadas pela Associação. Estas normas incluem:

Características dos pneus
Relação de carga dos pneus
Dimensões
Ensaios
Largura do Aro
Desenho e medidas das rodas

Normas no sistema métrico são estabelecidas através de uma associação similar chamada EUROPEAN TIRE AND RIM TECHNICAL ORGANIZATION (ETRTO). A medida da largura do aro aprovada para cada tamanho de pneu tem sido cuidadosamente selecionada pela TRA e ETRTO. Por exemplo, o P255/50VR16 é aprovado para ser montado em rodas de 6 1/2 a 10 polegadas. Experiências anteriores e práticas de engenharia têm mostrado que rodas fora destas medidas provocarão esforços no pneu de modo que o mesmo terá um desempenho não satisfatório e estarão sujeitos a uma potencial falha

ESTRUTURA DO PNEU (volta)
 


Carcaça: parte resistente do pneu; deve resistir a pressão, peso e choques. Compõem-se de lonas de poliéster, nylon ou aço. A carcaça retém o ar sob pressão que suporta o peso total do veículo. Os pneus radiais possuem ainda as cintas que complementam sua resistência;

Talões: constituem-se internamente de arames de aço de grande resistência, tendo por finalidade manter o pneu fixado ao aro da roda;

Parede lateral: são as laterais da carcaça. São revestidos por uma mistura de borracha com alto grau de flexibilidade e alta resistência à fadiga;

Cintas (lonas): compreende o feixe de cintas (lonas estabilizadoras) que são dimensionadas para suportar cargas em movimento. Sua função é garantir a área de contato necessária entre o pneu e o solo;

Banda de rodagem: é a parte do pneu que fica em contato direto com o solo. Seus desenhos possuem partes cheias chamadas de biscoitos ou blocos e partes vazias conhecidas como sulcos, e devem oferecer aderência, tração, estabilidade e segurança ao veículo.

Ombro: É o apoio do pneu nas curvas e manobras.

Nervura central: proporciona um contato "circunferencial" do pneu com o solo.

PNEU COM VISTA EM CORTE (volta)
COMO IDENTIFICAR UM PNEU (volta)
ITEM DESCRIÇÃO
1 MARCA / MODELO DO PNEU
2 STEEL BELTED RADIAL - Tipo de construção do pneu (Radial com Cintas de Aço)
3 Medidas do Pneu:
33 = Diâmetro externo em polegadas (x 2,54)
11.50 = Largura do pneu em polegadas (x 2,54)
R = Radial
15 = Diâmetro da Roda (aro) em polegadas (x 2,54)
6PR = 6 lonas
108 = Indicador de carga máxima para o pneu (ver tabela abaixo)
Q = Indicador da velocidade máxima para o pneu (ver tabela abaixo)
4 Certificação E4 (Comunidade Econômica Européia)
5 TUBELESS - Indica que o pneu é sem câmara
6 Número de série de fabricação
7 Nome fantasia do pneu
8 Certificação DOT (Departamento de Transportes dos EUA)
9
Aviso de Segurança:
SAFETY WARNING - Serious injury may result from:
- Tire failure due underinflation / overloading - -
Follow owner's manual or tire placard in vehicle
- Explosion of tire / rim assembly due improper mouting
Only specially trained person should mount tires.
Tradução
AVISO DE SEGURANÇA - Serios danos podem ocorrer de:
- Falha do pneu devido a baixa pressão / excesso de carga.
Siga o manual do proprietário ou verifique as plaquetas no veículo.
- Explosão do pneu ou encaixe da roda devido a montagem inadequada.
Somente pessoas especialmente treinadas devem montar os pneus.
10 Certificação INMETRO
11 MT 754 - Código do modelo do pneu
12 Origem da fabricação do pneu
13 Indicação nominal da carga máxima em Kg e Libras e pressão máxima em Kpa e PSI
14 Descrição da construção da carcaça e paredes laterais (quantidade e tipos das lonas)


PRINCIPAIS MEDIDAS A SEREM OBSERVADAS NOS PNEUS (volta)

EXEMPLO 1 - Identificação pelo Código do Pneu (volta)

LT245/75R16 108/104N

CÓDIGO DESCRIÇÃO
LT Light Truck Utilitário, Pick Up
245 Largura Nominal do Pneu em Milímetros
75 Relação entre a Largura e a Altura nominal do Pneu – Também conhecida como SÉRIE ou PERFIL (se não houver indicação, a série é 82)
R Indica que o pneu é de construção RADIAL. A ausência do R indica que o pneu é de construção DIAGONAL
16 Indica, em polegadas, o diâmentro interno do Pneus (ARO)
108/104 Indica o peso que o pneu pode suportar (ver tabela)
N Indica a velocidade máxima que o pneu pode atingir com segurança

EXEMPLO 2 - Identificação pelo Código do Pneu (volta)

33 X 11,50 X 16 LT 6PR

CÓDIGO DESCRIÇÃO
33 Diâmetro do pneu em polegadas (x2,54)
11,50 Largura Nominal do Pneu em Polegadas (x2,54)
16 Diâmetro do ARO em polegadas
LT Ligth Truck (utilitários, pick up's)
6PR Número de lonas (ply rating)

OUTROS CÓDIGOS ENCONTRADOS NOS PNEUS (volta)

CÓDIGO DESCRIÇÃO
TL Pneu sem câmara (Tubeless)
TT Pneu com câmara (Tube Type)
REINFORCED Indica pneu com reforço estrutural
ROTATION Indica a posição correta de rodagem (vem junto com uma seta indicando sentido)

TABELA DE ÍNDICE DE VELOCIDADE MÁXIMA (volta)

CÓDIGO DESCRIÇÃO CÓDIGO DESCRIÇÃO CÓDIGO DESCRIÇÃO
F 80 km/h   N 140 km/h   H 210 km/h
G 90 km/h   Q 160 km/h   V 240 km/h
J 100 km/h   R 170 km/h   W 270 km/h
K 110 km/h   S 180 km/h   Y 300 km/h
L 120 km/h   T 190 km/h   ZR acima de 240 km/h
M 130 km/h   U 200 km/h      

TABELA DE CARGA MÁXIMA ADMITIDA POR PNEU (volta)

ÍNDICE DE CARGA Kg/PNEU   ÍNDICE DE CARGA Kg/PNEU   ÍNDICE DE CARGA Kg/PNEU
80 450   96 710   111 1090
81 462   97 730   112 1120
82 475   98 750   113 1150
83 487   99 775   114 1180
84 500   100 800   115 1215
85 515   101 825   116 1250
86 530   102 850   117 1285
87 545   103 875   118 1320
88 560   104 900   119 1360
89 580   105 925   120 1400
90 600   106 950      
91 615   107 975      
92 630   108 1000      
94 670   109 1030      
95 690   110 1060      

 

APLICAÇÕES (volta)

Cada tipo de pneu tem uma aplicação e características específicas. A escolha correta implica no desempenho e durabilidade do pneu assim como na segurança dos passageiros do veículo:

PNEUS DE ALTA PERFORMANCE:
Pneus que proporcionam grande aderência e estabilidade e suportam altas velocidades. São pneus de grande diâmetro e largura, perfil baixo (50, 45, 40 ou 20) e rodas de 17, 18 19 ou 20 polegadas e construção radial. Oferecem pouco corforto.

PNEUS CONVENCIONAIS:
São os pneus recomendados pelos fabricantes de veículos. Possuem diâmetro normal, perfil série 60, 65 ou 70 e rodas de 15 ou 16 polegadas e de construção radial. Oferecem conforto, são silenciosos e têm grande durabilidade.

PNEUS ON / OFF ROAD (USO MISTO):
São pneus destinados à veículos utilitários, pick up's e camionetes. Podem ser utilizados no asfalto e em estradas de terra e são de construção radial. Oferecem conforto relativo e dependendo do desenho da banda de rodagem, podem produzir ruído na rodagem.

PNEUS OFF ROAD:
São pneus que devem ser utilizados somente em estradas de terra e são normalmente de construção diagonal. São pneus normalmente usados em competições OFF ROAD ou utilizados em serviços nas fazendas. Sua utilização em estradas de asfalto comprometem a segurança pois seu índice de velocidade é baixo e diminuem também a durabilidade do pneu além de produzir altas vibrações e ruído devido ao desenho da banda de rodagem.

DESENHO DA BANDA DE RODAGEM (volta)

ON / OFF ROAD RADIAL (USO MISTO) 100% OFF ROAD DIAGONAL

CONVENCIONAL RADIAL ALTA PERFORMANCE RADIAL
NERVURA CENTRAL:
Mantém um contato "circunferencial" do pneu com o piso (Manobrabilidade, aderência)

BLOCOS:
Também chamados de biscoito, proporcionam tração e frenagem

SULCOS:
São responsáveis pela drenagem (expulsão) da água e lama
DRENOS:
São sulcos auxiliares que levam a água para fora da área de contato do pneu com o solo, aumentando a aderência em piso molhado
COVAS:
Pequenas ranhuras que auxiliam na dispersão do calor do pneu
  • RELAÇÃO ENTRE ÁREAS CHEIAS (BLOCOS) E VAZIAS (SULCOS):
    -Pneu com proporção de áreas vazias (sulcos) maior: melhor desempenho em terrenos molhados ou com lama ou areia.
    -Pneu com proporção de áreas cheias (blocos) maior: melhor desempenho e aderência em piso de asfalto seco.
DIAGONAL X RADIAL (volta)

A principal diferença entre um pneu diagonal e um radial está em sua carcaça: o pneu diagonal (convencional) possui uma carcaça constituída de lonas têxteis cruzadas umas em relação às outras; a carcaça do pneu radial, por sua vez, constitui-se de uma ou mais lonas com cordonéis em paralelo e no sentido radial. As cintas de aço sob a banda de rodagem possibilitam a estabilidade dessa estrutura.
O pneu radial tem por vantagens: maior durabilidade; melhor aderência; maior eficiência nas freadas e acelerações e economia de combustível.

PNEU DE CONSTRUÇÃO DIAGONAL PNEU DE CONSTRUÇÃO RADIAL
O pneu é chamado diagonal ou convencional quando a carcaça é composta de lonas sobrepostas e cruzadas umas em relação às outras. Os cordonéis que compõem essas lonas são de fibras têxteis
Neste tipo de construção, os flancos são solidários à banda de rodagem. Quando o pneu roda, cada flexão dos flancos é transmitida à banda de rodagem, conformando-a ao solo.
No pneu radial, os fios da carcaça estão dispostos em arcos perpendiculares ao plano de rodagem e orientados em direção ao centro do pneu.
A estabilidade no piso é obtida através de uma cinta composta de lonas sobrepostas. Por ser uma carcaça única, não existe fricção entre lonas - apenas flexão -, o que e evita a elevação da temperatura interna do pneu.
PNEU DIAGONAL SEM CARGA
E ÁREA DE CONTATO COM O PISO
PNEU DIAGONAL SEM CARGA
E ÁREA DE CONTATO COM O PISO
PNEU DIAGONAL COM CARGA
E ÁREA DE CONTATO COM O PISO
PNEU RADIAL COM CARGA
E ÁREA DE CONTATO COM O PISO
COMPORTAMENTO EM CURVA COMPORTAMENTO EM CURVA
MANUTENÇÃO (volta)


SEGURANÇA

Os pneus são a única parte do carro que tem o contato direto com o piso. Os pneus afetam diretamente a estabilidade, o conforto, a frenagem e a segurança do seu veículo. Para um desempenho melhor e seguro, os pneus devem estar com a pressão indicada pelo fabricante, profundidade dos sulcos adequada e o alinhamento e balanceamento das rodas corretos.
Verificar os pneus regularmente é uma etapa importante para garantir sua segurança . O ideal é fazer uma inspeção semanal nos pneus. Se você utiliza estrada com piso ruim ou dirige longas distânciass regularmente, então você deve inspecionar seus pneus com mais frequencia. Inspecione sempre seus pneus antes de uma viagem. Será mais fácil encontrar um problema pequeno, tal como um prego em seu pneu, e repará-lo antes de que ele se transforme num problema mais caro e mais complicado.
Assegure-se de que somente pessoal de serviço corretamente treinado e equipado execute alguma manutenção no pneu de seu veículo (consertos, trocas, rodízios, alinhamento e balanceamento).

SINAIS DE DESGASTE NOS PNEUS

A falta de manutenção nos pneus pode levar ao desgaste prematuro e também à problemas mais sérios como um estouro. Outros fatôres podem também afetar o desgaste do pneu. Peças gastas da suspensão e a falta de alinhamento do veículo tem um papel direto no desempenho do pneu.
Saiba reconhecer os principais sintomas de problemas com os pneus através da análise do desgaste dos mesmos:

PRESSÃO ALTA:
Desgaste no centro do pneu. Pressão maior do a recomendada faz com que somente a seção central do pneu toque no piso.
PRESSÃO BAIXA:
Desgaste em ambas as bordas do pneu Pressão menosr do que a indicada faz com que os lados do pneu cedam e a parte central da banda de rodagem perde contato com o piso
Desgaste em uma borda do pneu:
As rodas podem estar desalinhadas
Desgaste irregular:
Pode significar que as rodas estão desbalanceadas, ou que os amortecedores necessitam
de substituição.
 
SINAIS DE PROBLEMAS AO DIRIGIR:

RUÍDO INCOMUM, VIBRAÇÃO OU BATIDA:
Pode indicar uma cinta radial separada, roda desbalanceada ou pneu mal montado

VOLANTE PUXA PARA UM LADO:
Pode indicar diferença de pressão entre os pneus, cinta radial separada ou desalinhamento das rodas.

INSPEÇÃO NA BANDA DE RODAGEM
Quando você verificar a pressão de ar em cada pneu, inspecione visualmente a BANDA DE RODAGEM e as PAREDES LATERIAS do pneu para verificar o desgaste e detritos que podem ter penetrado no pneu.
Os pneus dependem das boas condições da BANDA DE RODAGEM para manter a tração e para drenar a água em pisos molhados. A profundidade do sulco deve ser verificada para ver se há desgaste excessivo ou desigual. Faça a medida da profundidade com uma régua pequena. Faça a verificação das medidas em duas posições da banda de rodagem: na borda e no centro. As leituras desiguais indicam pressão imprópria do pneu ou a necessidade de alinhamento das rodas. Quando o sulco atingir 1,6mm de profundidade é hora de substituir por pneus novos
       
VERIFICAÇÃO DA PRESSÃO DOS PNEUS

Verifique a pressão dos pneus uma vez por semana. Você pode fazê-lo nos postos de gasolina mas, o ideal é que você faça a medição antes de rodar com o veículo enquanto os pneus estiverem FRIOS. A pressão recomendada pelo fabricante é para pneus FRIOS.
Medir a pressão com os pneus quentes pode resultar em diferenças de até 5 PSI.
Veja a pressão de ar recomendada pelo fabricante do veículo na coluna da porta do motorista, dentro do porta luvas ou manual do fabricante do pneu e obedeça sempre a pressão máxima indicada nos pneus. Acrescente de 2 a 4 PSI quando for trafegar com o veículo carregado.

Em condições normais, um pneu pode perder até 1 libra de pressão por mês. Mais do que isso pode indicar algum problema como furo ou vazamento de ar.

       
MANUTENÇÃO DE PNEUS
Há procedimentos de manutenção de pneus que somente profissionais treinados devem fazer, porque eles têm as ferramentas e o conhecimento apropriados. Entretanto, compreender estes procedimentos podem ajudá-lo na hora de contratar serviços especializados de manutenção.

Rodizio dos Pneus
Os pneus dianteiros e traseiros dos veículos trabalham com cargas, esterçamento e frenagens diferentes ocasionando desgastes desiguais. Para aumentar a vida útil e o desempenho dos pneus, é essencial fazer o rodízio dos pneus do seu veículo conforme recomendação do fabricante quanto a quilometragem e disposição dos pneus no rodízio.

Balanceamento das Rodas
Rodas corretamente balanceadas ajudam a minimizar o desgaste desigual e estender a vida útil dos pneus. Quando as rodas são balanceadas, normalmente a cada 10.000 km, pesos são colocados nas rodas para deixar seu peso uniforme. Os pneus e as rodas devem ser balanceados quando for feito rodízio de pneus e após a colocação de pneus novos.
Alinhamento das Rodas
Cada veículo tem uma especificação apropriada para alinhamento das rodas. Se o alinhamento das rodas não estiver dentro desta especificação, os pneus desgastam desigualmente, tornando-os inseguros e causando um consumo de combustível maior. Você deve verificar o alinhamento da roda de acordo com a recomendação do fabricante. Um veículo está com as rodas desalinhadas quando ao dirigir em linha reta, o veículo "puxa" para um dos lados.

(volta)